Alta-Costura: as novidades nas passarelas de Paris


website translator plugin

Alta-Costura: as novidades nas passarelas mais glam de Paris

Bordados, metros dos tecidos mais finos já fabricados e inúmeras horas de trabalho de artesãos experientes. Isso é um pouco do que a Alta-Costura exibe em suas apresentações. Nesta temporada, o destaque foi vontade de inovar dos estilistas.




Nova geração

Em meio a rumores de que a Alta-Costura estaria ficando obsoleta, grifes como Chanel, Dior e Giambattista Valli apostaram em looks curtíssimos, com saias mais frescas e jovens, bem diferente dos longos de gala que costumam dominar as passarelas da semana de moda. Ponto para as grifes que procuram se renovar e estreitar contato com um público mais jovem. 

Tênis na festa

Na mesma onda da modernização e, por que não, da transgressão, Chanel e Dior combinaram tênis esportivos - mas ainda assim produzidos à mão - com vestidos couture, o que causou enorme burburinho fashion. Não significa que a moda vai pegar, mas o calçado está liberado para circular com muito mais liberdade em ambientes além-academia. 

Floral 3D

Já vistos nas passarelas internacionais do verão 2014, os vestidos repletos de pequenas flores bordadas voltaram com tudo na Alta-Costura. A temporada trouxe muitas referências da fauna e da flora, mas o floral foi o que ganhou mais espaço. Pode-se dizer: as aplicações com pétalas são o novo paetê. Giambattista Valli, Elie Saab e Zuhair Murad apostaram na tendência em mais de um look. 

Meio do caminho

O clima feminino que invade as passarelas há algumas temporadas surgiu aqui na forma de delicadas saias mídi. Ora retas, ora com volume, o comprimento mostrou que veio para ficar. Elegante que só, ele fez par com blusas com peplum, como no desfile de Zuhair Murad, ou com casaquetos sóbrios, como mostrou Elie Saab. Em uma referência mais retrô, deu charme ao vestido Dior. 

Pretty ballerinas

Outra temática recorrente nas apresentações de Couture foram as artes e a música. Saias de tule, lembrando as das bailarinas, surgiram nos mais diversos comprimentos. A coleção da Valentino foi a que melhor explicitou a referência: looks traziam saiotes que mais pareciam tutus. Zuhair Murad ainda aproveitou para elevar o grau do romantismo e bordou flores nas saias. 

Volume total

Localizado nos quadris ou dominando saias exuberantes, o volume - muito elegante, vale dizer - destacou-se nas passarelas. Menos exageradas que as anquinhas do século XVIII, as saias surgiram quase sempre acompanhando corpetes sequinhos, em um feminino equilíbrio, como nas apresentações de Giambattista Valli e Elie Saab. Já Ralph Russo, estreante na semana de moda, apostou em um peplum estilizado. 

Asa de borboleta

Apesar de um tanto específico, a borboleta foi tema de duas coleções: de Alexis Mabille e Jean Paul Gaultier. Além de ter surgido em meio à fauna do desfile da Valentino. O tema faz parte do clima romântico e suave que dominou a semana de Alta-Costura. Se a ideia era encher os olhos, os coloridos (ou completamente brancos) insetos deram conta. 

A fauna toda

A animal print já é um elemento perene na moda, mas ganha status glam em esvoaçantes vestidos de Alta-Costura, como vimos na passarela de Alexandre Vauthier. Já a Valentino foi além: somou às estampas de leopardo desenhos de animais, como girafas e leões, em uma étnica viagem à África. 

Deusas gregas

Como não poderia deixar de ser, a Atelier Versace foi a responsável pelo desfile mais sensual da temporada. Drapeados, recortes e saias fluidas criaram a deusa grega moderna proposta pela grife. Assim como Donatella Versace, Alexandre Vauthier foi outro estilista que apostou nas fendas poderosas. Já Alexis Mabille fez sua versão mais literal, mas não menos sexy, com cinturas marcadas e vestidos de um ombro só. 

Calça + Blazer

Como não só de saias e vestidos é feita a Alta-Costura, blazers de atitude e calças sequinhas também cruzaram as passarelas. O modelo da vez? As cigarretes parando bem na altura dos tornozelos. A versão de Alexandre Vauthier é sexy e deixa uma faixa de barriga à mostra, já a da Versace e de Jean Paul Gaultier surgiram em cortes mais clássicos. Tanto lisos quanto com aplicações, o blazer da vez dispensa a tradicional camisa. 

Foto: Agência Fotosite