<

Desfile SPFW:Gloria Coelho

Para Gloria Coelho, essa é uma coleção para redefinir origens – ou pontos de partida – rumo à construção de uma imagem que traga a reinterpretação de um mix de referências que resultam em novas propostas de moda, conectadas com o tempo que a gente vive hoje. Para fazer isso, ela revisita os próprios códigos, acrescenta novas ideias próximas do seu repertório de pesquisa. A novidade é que lida com tudo isso de maneira diferente, e são nesses deslocamentos que aparecem as novidades de sua nova coleção.

A alfatiataria, sempre presente, está nos looks mais sequinhos e ajustados, mas também na série de calças bem amplas, de cintura alta, em looks monocromáticos ou bicolores. A única estampa da coleção é um floral no fundo preto, um mix de flores tiradas de duas pinturas que inclusive já serviram de base para uma estampa de uma coleção antiga. Dessa vez, porém, o jeito de usar é mais bucólico, um mix de hippie setentista com referências à estilista britânica Laura Ashley e caubói. Os recortes vazados são matemáticos em muitos looks, mas também aparecem como se fossem buracos na série com a calça marinho, o vestido militar e o preto, ambos longos. Nos vestidos de festa, o frufru romântico intelectual de Gloria foi atualizado com aplicações de bolas que fazem referência à arquitetura escandinava, na base do tule transparente preto.